domingo, 28 de setembro de 2008

1ª Carta de São Paulo aos Coríntios

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine. Mesmo que eu tivesse o dom da profecia e conhecesse todos os mistérios e toda ciência; mesmo que tivesse toda fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver amor, não sou nada. Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres, e ainda que entregasse meu corpo para ser queimado, se não tiver amor de nada valeria! O amor é paciente, o amor é bondoso. Não tem inveja. O amor não é orgulhoso. Não é arrogante. Nem escandaloso. Não busca seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

O amor jamais se acabará.

2 comentários:

Lu disse...

"O amor sincero sempre vale a pena"
Lembra? huhuhuhuhuhu
Sexta to em Recife \0/
Saudade de tu nega!
Bjs!

Patryk disse...

q bom q vc tb estah Carpe Diem... mto bom d verdade!!! Tenho pensado mto em vc, e peço de alguma forma, a algum Ser superior para que retire td seu peso, para que vc possa voar para onde o vento quiser te levar... Desde que seja pra um lugar onde vc possa se sentir MARIANA novamente... com tda sua força e segurança!!! Onde nada mais possa te derrubar!!!

bjo!!

Patryk