quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Estopim

Lembro de ter ouvido e palavra “estopim” pela primeira vez no primeiro ano do Ensino médio, na aula de História Geral. O professor falou que o estopim da Primeira Guerra Mundial foi o assassinato do Francisco Ferdinando, e dedicou uma meia hora para explicar o significado da palavra estopim usando como exemplo os fatos que antecederam a Guerra. Lógico que ele estava explicando a Guerra, mas para mim, era uma aula do que significava a palavra, que não me saiu da cabeça desde então. Fui procurar no dicionário o significado mais formal dela, e lá tinha que era um explosivo. Depois de refletir um pouco eu entendi realmente o que significava. Ela tem um pouco de tudo, no sentido propriamente dito é um explosivo, no sentido mais figurado, poético, é a gota d’água, o basta, quando a sucessão de vários acontecimentos fazem gerar uma explosão.
Desde então eu procuro o estopim para todas as coisas que acontecem na vida, tanto pro lado bom quanto pro lado ruim.
As pessoas tendem a esperar o estopim para começar a mudar certos rumos, eu me incluo ai, mas claro que existem exceções. A gente espera, aceita, releva, vai “empurrando com a barriga”, as vezes coisas que vemos que não estão mais rendendo. Ficamos acostumados, acomodados com certas situações (ou pessoas) e não nos damos conta que ali só está se juntando argumentos para chegar a um BASTA.
Agora pergunto, por que motivo deixamos que se chegue ao estopim?
Respondendo por mim, é porque nos acomodamos, ficamos com receio de questionar, de mudar mesmo. Fechamos os olhos para certas coisas pra evitar conflitos, discussões, chateação. Relevamos para evitar conflitos.
Seria bem mais fácil ir mudando, questionando as coisas à medida que elas fossem acontecendo. Ser mais direto, mais sincero, mais transparente, nunca fez mal a ninguém. A verdade até pode doer algumas vezes, mas garanto, a mentira dói muito mais. O sentimento de ser enganado machuca, e pode sim ser evitado.
O caminho depois do estopim pode ter dois segmentos. Um é tentar mudar certas coisas, mas sem sair do eixo, digamos aperfeiçoar, ajustar, esse é o mais comum, porque também é o mais fácil. O segundo é o mais radical, é o mudar totalmente a situação, começar do zero, deixar pra trás o que se passou, esse exige mais coragem, mais determinação e mais força de vontade.
Confesso que ainda falta em mim um pouco de coragem para mudar.
Conseguimos enxergar os antecedentes para o estopim, mas muitas vezes nada fazemos, fechamos os olhos, “deixamos rolar” para ver o que acontece. Na maioria das vezes, fazendo uma analogia, acontece como na Primeira Guerra.
Portanto, ao perceber a aproximação do estopim, REAÇÂO!

E CORAGEM sempre!

2 comentários:

Patryk Melo disse...

Oiii Mrs. Pin Up... =P

intaum, interessante como essa palavra fica marcada a partir de uma aula de História...uahuahhaahuahahuah

tb concordo que não se deixe o 'estopim' chegar em determinadas situações da vida. Mas qnd a coisa n tem mais jeito, o estopim eh válido para que se chegue em determinado lugar ou em determinada situação!!! Há 'estopins' que levam à coisas boas!!

bjaum e coma os 'docinhos'!!! ;)

Alan Patrick disse...

Vlw,você ajudo muito, no começo não entendi muito o significado, mas depois de tantos argumentos que você pode colocar, entendi pra caranba e mais ainda vc coloco uuma questão legal das nossas vidas,no qual ter uma determinação de não ficarmos acomodados e fazer algo que leva nós as coisas boas da vida.

Flw.
;)