terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Desbafo

Tem dias que a gente acorda mesmo diferente. Em um dia a vontade é não se levantar da cama em hipótese alguma; em outros se levanta com um pulo já achando que o dia vai ser pouco pra se fazer tudo o que se pretende; e tem dia que a gente simplesmente acorda e deixa as coisas acontecerem por si sós. Esses são os piores dias.
Esperamos mais dos outros do que de nós mesmos. Esperamos que tudo se resolva sem o nosso esforço. Esperamos a ligação que não acontece, a voz que não se ouve, o abraço que não se dá... e passamos o dia todo esperando, esperando, esperando.
Em alguns momentos a espera é recompensadora, em muitos outros não, porque ela simplesmente não acontece, e quando damos conta já perdemos tempo demais, deixamos de ver o que estava ao nosso redor, deixamos passar um dia em vão.
Tem dias que rezamos para que não acabe, curtimos cada minuto, cada segundo, e esses momentos ficam eternos em nossas lembranças. Coisas boas a gente não esquece. Geralmente essas coisas boas são um simples gesto, uma palavra, um olhar no momento certo, um afago que não se espera, e passamos o resto do dia sorrindo ao simplesmente lembrar. Só o fato de lembrar já é confortante! Mais ainda quando temos certeza de que isso será repetido. Que PODE ser repetido.
Por isso aprendi que o que me faz bem eu levo comigo, eu quero de novo, eu TENHO de novo.
E o que me faz mal... bem, o que me faz mal fica lá, bem guardadinho nas minhas lembranças com o título de "serviu pra aprender, não pra ser lembrado".
E assim eu consigo ter dias bons! Bons com perspectivas de serem perfeitos!

2 comentários:

Rodrigo disse...

Lembra daquele fatídico dia no mercado que o dia fica bom! Garanto que risadas você vai dar não é?

Saudade de tu "meu bem"!

Abraços apertados!

Gio disse...

O que você disse é totalmente verdade, as vezes a monotomia nos leva, fazendo com que nós não nos importemos nem com nós mesmos.