sábado, 17 de abril de 2010

Acontece

Hoje acordei um pouco pensativa... acho que só agora consegui absorver essa semana de louco!!

Sábado passado de repente recebo a ligação da minha mãe dizendo que estava internada mas que estava "tudo bem". Eu sou a pessoa que mais odeia hospital nesse mundo... mas larguei o que estava fazendo e corri pra ficar ao lado dela. E só sai de la na quarta-feira. Hoje graças a Deus ela está totalmente recuperada.

Mas isso me fez pensar em tanta coisa. Passar o dia inteiro no quarto de hospital não deixa outra opção a não ser ver TV ou pensar na vida.

Comecei pensando em meu trauma de hospital, objetos cirúrgicos, agulha, sangue. Pensei em quando tudo isso começou. Bom, eu não fui uma criança quietinha, gostava de subir em árvore, andar por cima do muro, correr, andar de bicicleta... e tinha total liberdade para isso!! Como também sempre gostei de ficar descalça, estava feito o estrago. SEMPRE no melhor das férias eu machucava o meu pé, e normalmente não fazia idéia de onde tinha sido. Resultado: dias quieta e vacina anti-tétano. Isso se repetiu por vários anos.

Desde então, toda vez que eu me cortava já associava a imagem da vacina, do repouso, etc... não podia ver um pinguinho de sangue que já abria o berreiro (e eu era boa nisso). E ainda hoje não posso ver sangue, já não abro o berreiro, mas minha pressão cai e eu posso até desmaiar. Frescura? Não sei...

Já o pavor a hospital vem dos dias em que meu pai esteve internado e veio a falecer. Foram 6 dias de aflição, e eu tinha apenas 13 anos. Não deixavam entrar na UTI acompanhada, e quando meu tio, que é médico, não estava lá eu ia sozinha. Cada passo que eu dava no corredor sozinha me dava um nó na garganta, porque eu não sabia como ia encontrar meu pai que estava em coma. E entrar numa UTI, ver todas aquelas pessoas doentes, escutar aquele barulhinho dos aparelhos me marcou demais. Por muito tempo ao entrar num hospital minhas pernas tremiam. Eu evitava sempre que podia, procurava ir só na maternidade.

Mas isso nem sempre era possível. Minha mãe sempre dizia que eu tinha que enfrentar. E ai passei pelo internamento do meu avô, cirurgia da minha irmã, visitas à cunhada na quimioterapia, cirurgia minha, etc... Em todos esse momentos eu ainda me sentia péssima so de sentir o cheiro do hospital. Mas, como tudo na vida acontece na hora certa, essa última semana foi bem diferente.

Eu estou passando por um momento onde tiro forças de onde nem sabia que tinha. Fiz questão de ficar no hospital com minha mãe, aliás, mesmo quando eu não precisava ficar eu quis ficar. Eu PRECISAVA ficar ao lado dela. E minhas pernas não tremeram, a pressão não baixou, eu fiquei bem... no momento do aperreio eu agi sem pensar, fui encarando tudo e no final nem parecia que eu tinha tanto abuso daquele lugar.

A necessidade me fez superar certos medos.

A necessidade está me fazendo mais forte, mais decidida, em todos os aspectos da minha vida.

Uma nova 'EU' está surgindo, muito mais forte!!

6 comentários:

Marianna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marianna disse...

Eu tento expor oq sinto, mas tenho enormes dificuldades. Às vezes procuro escrever num caderno, mas nem sempre alivia o suficiente. Acho q é por medo de ouvir um não q evito essas coisas. Daí vou levando a situação como dá, empurrando com a barriga, até q o tempo resolva ou alguma coisa nova aconteça pra mudar. É exaustivo demais isso. tem horas q quero explodir, dizer q amo alguém, sei lá... Mas na hora, n sai uma vírgula ¬¬! Mas enfim... É como vc citou no seu posto, um dia, qd menos se espera, as coisas acontecem naturalmente. Um dia talvez eu consiga colocar "aquela" pessoa contra a parede, dizer oq sinto e exigir uma posição, se for negativa, paciência... Uma lágrima aqui, uma roedeira ali... Cedo ou tarde outro aparece e reacende todo o sentimento de novo.

Beijooos.
Bom fds!!
Se cuida!

P.S: Saudades das nossas "consultas terapeuticas" da época de Luís! =P

Anônimo disse...

e ainda conseguiu acalmar a irma-estressada-neurotica que esta longe....

Anônimo disse...

fui eu mesma (Lara) que escrevi o post acima ;P

Rodrigo disse...

Agora uma abusada fortificada! Mas que mesmo pelo skype continua linda!

Estou torcendo para que você seja muito feliz nessa nova fase da sua vida!

Abraços (muito) apertados e com saudades!

(Arika) disse...

Acontece e sempre vai acontecer coisas na nossa vida que nos fazem sentir um trauma danado. Mas com o tempo vamos nos recuperando. Adorei o seu texto, isso mostra que hoje você é uma pessoa forte. Parabéns!