sábado, 25 de setembro de 2010

Eu prometo... posso?

Poeminha enviado por uma pessoa que eu adoro, li uma frase que pedi que ela enviasse o resto, achei lindo!!

PS - Não sei o autor

Eu te prometo não te prometer nada
Nem te amar para sempre
Nem não te trair nunca
Nem não te deixar jamais

Estou aqui, te sinto agora
Sem máscaras ou artifícios
E quando for bom para os dois, que o outro fique

Nada tenho a te oferecer
Exceto eu mesmo
Nada a te pedir
Exceto que seja quem tu és

A verdade é o que temos
De melhor para compartilhar um com o outro
Tuas coisas continuam tuas
E as minhas, minhas

Não nos mudaremos
Na loucura de tornar eterno
Esse breve instante
Que passa se crescermos juntos
Ainda que em direção oposta

Saberemos nos amar como somos
E não teremos medo ou vergonha um do outro
Não te prendo nem permito que me prendas

Nenhuma corrente pode deter o curso da vida
Quero que sejas livres como eu próprio quero ser
Companheiros de uma viagem que está apenas começando
Cada vez que nos encontrarmos novamente

2 comentários:

Aline V. disse...

é muito bonito mesmo Mari!

beijooos

Marianna disse...

Adooorei o texto.
Mas as promessas que ando fazendo ultimamente são à mim mesma, faz diferença?


P.S: Quando for à Recife novamente entro em contato contigo e A GENTE decide pra onde ir. Não boto fé nas opções de Diogo. Ou ele sai com a gente, ou fica, mas tomar as rédias... Não mais! Só me bota em furada... =P